sábado, 23 de fevereiro de 2013

Sobre medo e liberdade

 
 
Relacionar-se redunda em envolvimento... penso que quando você "decide" relacionar-se sem se envolver, está indo na contramão de si mesmo. Somos feitos de afeto, de laços, somos almas.
 Laços não são amarras...puxe uma das pontas e ele se desfaz, deixando livre o que enlaçado estiver.
Viver sem criar laços é uma escolha, porém, como toda e qualquer escolha, tem sua consequência.
Quem tem o poder de tolhir nossa liberdade somos nós mesmos...ninguém mais. Se você se sente tolhido, pense na escolha que o levou a isso... e nas escolhas que você TEM.
Seja livre.
O que tiver que ser será, e o que não tiver, não será. Simples assim.
Permita-se conhecer as pessoas.
A lei do descarte foi muito bem acolhida, porém receio que as pessoas não procuram refletir sobre as variadas consequências dessa "adesão" coletiva ou individual.
Tanta gente bacana que pode já ter passado por você sem que você tenha notado...porque escolheu não notar.
Ouço tantas vezes: " Não acho", " Não encontro", "Não existe"...
A vida é troca. O dia inteiro, o mês inteiro, o ano inteiro, o tempo todo!
Não nos iludamos com a falsa verdade de que  "não criar laços", evita que levemos e/ou deixemos marcas. Simplesmente porque a vida É TROCA.
Acredite: você deixou e levou. Se foram positivas ou negativas...você saberá. O outro saberá. Cedo ou tarde.
Sinto saudade de um tempo que conheci e que praticamente não existe mais.
Não quero acreditar que acabou.
Prefiro ser fiel ao que acredito. E vou lidar com as consequências da minha escolha.
Não quero negociar uma das  melhores coisas  da vida: a troca.
Mas a troca voluntária e consciente.
Não quero pensar que não envolver-me me faz livre. Pois na verdade isso revela  medo. E  medo que aprisiona.
 Há muito medo nos corações...
Onde há medo, há comprometimento da liberdade.
Talvez  não estejamos  sendo livres...pensando que estamos. ;)
Bjs.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário