sábado, 23 de fevereiro de 2013

Sobre medo e liberdade

 
 
Relacionar-se redunda em envolvimento... penso que quando você "decide" relacionar-se sem se envolver, está indo na contramão de si mesmo. Somos feitos de afeto, de laços, somos almas.
 Laços não são amarras...puxe uma das pontas e ele se desfaz, deixando livre o que enlaçado estiver.
Viver sem criar laços é uma escolha, porém, como toda e qualquer escolha, tem sua consequência.
Quem tem o poder de tolhir nossa liberdade somos nós mesmos...ninguém mais. Se você se sente tolhido, pense na escolha que o levou a isso... e nas escolhas que você TEM.
Seja livre.
O que tiver que ser será, e o que não tiver, não será. Simples assim.
Permita-se conhecer as pessoas.
A lei do descarte foi muito bem acolhida, porém receio que as pessoas não procuram refletir sobre as variadas consequências dessa "adesão" coletiva ou individual.
Tanta gente bacana que pode já ter passado por você sem que você tenha notado...porque escolheu não notar.
Ouço tantas vezes: " Não acho", " Não encontro", "Não existe"...
A vida é troca. O dia inteiro, o mês inteiro, o ano inteiro, o tempo todo!
Não nos iludamos com a falsa verdade de que  "não criar laços", evita que levemos e/ou deixemos marcas. Simplesmente porque a vida É TROCA.
Acredite: você deixou e levou. Se foram positivas ou negativas...você saberá. O outro saberá. Cedo ou tarde.
Sinto saudade de um tempo que conheci e que praticamente não existe mais.
Não quero acreditar que acabou.
Prefiro ser fiel ao que acredito. E vou lidar com as consequências da minha escolha.
Não quero negociar uma das  melhores coisas  da vida: a troca.
Mas a troca voluntária e consciente.
Não quero pensar que não envolver-me me faz livre. Pois na verdade isso revela  medo. E  medo que aprisiona.
 Há muito medo nos corações...
Onde há medo, há comprometimento da liberdade.
Talvez  não estejamos  sendo livres...pensando que estamos. ;)
Bjs.
 

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Eu Coruja.

Quando ganhei-na adolescência- o apelido de "Corujinha", confesso que não curti muito não... :( aí o tempo passou, passou...e um dia no trabalho deixei escapar: pronto. Acabou-se. É coruja pra lá, coruja pra cá...afff!!
MAAAAS...belo dia desses, descobri umas coisinhas interessantes sobre a corujinha:

Ela é o símbolo da Filosofia.
A coruja da filosofia é a Minerva, uma deusa romana. Essa deusa grega, personifica a sabedoria e a justiça. Embora eu não tenha dúvidas de que quem as personifica é Deus... mas achei o maior barato! só que, no meu caso,me chamam assim pelos olhos grandes...kkk, fazer o que né?
É isso aê...bjs.






sábado, 16 de fevereiro de 2013

Após longo inverno...descobri que há em mim um ensolarado verão...

Essa semana em uma conversa com um amigo, ele mencionou o meu blog...gente, eu tenho um blog!! é vero!! há um ano e quase 5 meses escrevi o último texto. E foi sobre a chegada da primavera...
Alguém dirá: " Como assim, minha filha??" Rss, é...eu esqueci. Bloqueio mental parcial e temporário. Fiquei pensando depois no porquê disso. Cheguei à conclusão que de fato foi isso. Aconteceram tantas coisas, passei por tantas experiências...mas não compartilhei neste espaço por pura e simples proteção, preservação de mim mesma. Parte disso deve-se a minha natureza que peculiarmente opta pelo ostracismo ao deparar-se pessoalmente com as  facetas sombrias  da "humanidade". O lado sombrio e feio. A maldade, hipocrisia,  intolerância, a falta de amizade-vulgo-inimizade...e segue por aí uma lista looonga...
Os que me conhecem, pessoas especiais que estão presentes em minha vida,vão entender perfeitamente o que expresso nesse momento.
E é por causa DELES que hoje volto aqui. É com estes que gosto de dividir meu mundo, o que penso, o que sinto, o que vejo e como vejo. O meu olhar. E pela razão mais óbvia:

EU SIMPLESMENTE AMO ESCREVER.

Tenho uma natureza fugidia em momentos de crise, mas não porque sou covarde. E sim porque tenho amor-próprio. Eu me estimo. Escolho ao me recolher, cuidar de mim. Enquanto isso, o tempo passa. E leva tudo de ruim  embora. Tudo mesmo.
Ha muitas teorias e opiniões sobre o tempo.  A minha hoje é de que ele é fundamental não só pra que se amadureça-física e/ou espiritualmente, mas pra que haja cura. E assim o recomeço. Que nada mais é que a continuidade.
Apesar de nossas fragilidades, é imprescindível avançar.

Me ocorreu um trecho da canção ' Emoções' do Roberto Carlos. Peço licença para adaptá-la:

" Hoje estou aqui e vivo esse momento lindo...olhando pra mim! e as mesmas e novas emoções sentindo. Relendo histórias que contei aqui.
Novos amigos ganhei, alguns eu perdi...porque não eram. Então...perdi?
Estou em paz com a vida e o que ela me deu até aqui.
Tenho fé e sou otimista, na medida certa. Pra não perder a noção de que é preciso questionar.
Se chorei ou se sorri, o importante é que estive lá.  e que eu vivi."